Um modo de determinarmos a posição de um astro na esfera celeste é medirmos os respectivos ângulos de azimute e elevação. O azimute, A, é medido com relação ao norte e a elevação, H, com relação ao horizonte, tal como ilustrado na figura que segue. Tais ângulos são comumente determinados usando um teodolito. Contudo, trata-se de um instrumento de custo bem elevado. Aqui temos uma solução barata para tal problema.

 

Azimute e Elevacao

 

Para determinarmos o azimute, de maneira aproximada, utilizamos uma bússola comum. Este instrumento é normalmente composto por um mostrador graduado e uma agulha magnetizada que aponta para o norte magnético da terra. Entre os diversos modelos que existem no mercado, temos alguns tipos com um design mais profissional, como o ilustrado a seguir. Cabe ainda lembrar que se estivermos falando do norte geográfico, devemos introduzir um fator de correção relativo ao norte magnético. Tal correção dependerá da latitude e longitude de nossa localização e pode ser obtida na página gsc.nrcan.gc.ca.

 

Bussola

 

A utilização de uma bússola é bastante simples, sendo muito bem explicada no site www.cartografia.eng.br. Resumidamente, seguramos a bússola usando a argola de polegar, posicionando o instrumento o mais horizontalmente o possível. Olhando através da fenda de pontaria, alinhamos a linha de pontaria na direção do astro que desejamos determinar o azimute. Então, com uma olhadela pela ocular efetuamos a leitura no mostrador. Tais procedimentos são esquematizados na figura abaixo.

 

Usando a bussola

 

Tudo isso parece muito fácil. Contudo, lembre que durante uma seção de observação estamos normalmente no escuro e que o mostrador deverá ser iluminado para possibilitar a leitura. Sendo assim, nunca esqueça de sua lanterna. Uma recomendação interessante é que a cor da luz emitida pela lanterna seja vermelha, tendo como objetivo reduzir a contração da pupila, evitando o ofuscamento. Isso é obtido facilmente colocando-se um plástico vermelho, semitransparente, na frente da lanterna. Outra opção é adquirir uma lanterna que já possua esse recurso. Tais lanternas são normalmente encontradas em lojas para materiais de camping. Continuando, para estimarmos a elevação de um astro, podemos construir um instrumento bastante simples composto de um tubinho de caneta esferográfica, um fio de prumo e um transferidor de plástico, cuja montagem é mostrada na figura a seguir. Então, olhando-se através do tubinho apontado para o astro de interesse, basta subtrairmos 90 graus do ângulo lido, tal como indicado, para obtermos o valor de H.

 

Teodolito Escolar

 

A única desvantagem dessa construção é a necessidade de duas pessoas para efetuar uma leitura. Isso pode ser contornado utilizando uma construção alternativa, como a mostrada nas imagens a seguir. Neste tipo de construção, feita a partir de um transferidor de aço, a elevação será dada pela expressão:

 

Formula


A parte critica esta na determinação do ângulo de inclinação do instrumento (theta), que varia com o posicionamento do instrumento. Isso pode ser contornado efetuando-se uma calibração com um fio prumo. Para o instrumento mostrado, a reta de calibração é:

 

Calibração

 

Medindo Elevação


Salienta-se que tal calibração é única, ou seja, cada instrumento deverá ser calibrado separadamente. Além disso, visto que é sempre necessário algum cálculo matemático, nunca esqueça de sua calculadora de bolso, também! Finalizando, tenha em mente que na melhor das hipóteses a precisão das leituras será de mais ou menos um grau. Para medidas mais precisas, recomenda-se um teodolito profissional.

NOTA: O presente texto possui objetivos únicos de divulgação. Portanto, não me responsabilizo pela utilização das informações aqui contidas ou de suas eventuais conseqüências. Use tais informações por sua inteira conta e risco.