Midia Server

Atualmente, diversos televisores podem reproduzir filmes a partir de um pendrive ou, no caso de webTVs, via rede. Contudo, muitos dos modelos de TVs disponíveis no mercado apresentam sérias limitações com relação aos formatos aceitos para reprodução. Isso pode provocar alguns incômodos na hora em que se deseja assistir em "tela grande" aquele vídeo que acaba de ser baixado da internet. Nesses casos, a implementação de um servidor de mídia que possua opções de transcodificação pode contornar tal limitação. Para aumentar as chances de sucesso é geralmente relevante que todos os dispositivos envolvidos sejam compatíveis com o padrão DLNA (Digital Living Network Alliance). De fato, vários sistemas operacionais já apresentam recursos compatíveis com DLNA. Contudo, uma atenção especial deve ser dada para a transcodificação, pois na maioria dos casos há somente um compartilhamento dos arquivos de mídia sem haver qualquer conversão de formato.

ATINos dias atuais temos a nossa disposição computadores pessoais, com uma enorme capacidade de processamento e armazenamento de dados, algo que há duas décadas atrás era simplesmente inimaginável. Grande parte de tal "revolução" é voltada para aplicações multimídia e internet. Um exemplo disso é simplesmente assistir TV. Mas será que isso é possível em um PC antigo? Qual seria o desempenho? Como aproveitar um hardware ultrapassado para efetuar essa tarefa? Sem maiores pretensões e aproveitando uma onda de saudosismo, apresento aqui minha experiência com um sistema baseado em um processador K6-III de 500 MHz, dotado de uma placa de vídeo PCI de 2 MB e uma outra de TV, em um slot ISA.

K6-III 3D NOW

Dando prosseguimento ao texto anterior, intitulado "Reciclando a Idade Media dos Computadores", vou agora reportar uma experiência com um hardware antigo onde é implementado um PC para ser usado como TV analógica, Radio FM e CD player. Equivalentemente aos experimentos anteriores foram empregados os seguintes componentes: (i) Sistema base composto por uma placa mãe DFI K6XV3+/66 rev. BB+ com update de BIOS, equipada com um processador K6-III com 3D NOW de 500 MHz e 3 pentes de memória RAM com 64 MBytes cada, marca Spectek, totalizando 192 MBytes; (ii) Placa de som Sound Blaster AWE 32 - EISA; (iii) Placa de radio FM Typhoon - ISA; (iii) Placa de vídeo ATI 3D Xpression (Rage II) - PCI, em conjunto com (iv) Placa ATI-TV (PC2TV) - ISA/EISA, e (v) Um Disk-On-Module (DOM) de 512 MBytes, IDE de 40 pinos, da marca Transcend modelo TS512MDOM40V-S, utilizado como HDD.

O primeiro transistor.

Em Dezembro de 2007 foi comemorado o aniversario de 60 anos da invenção do transistor. Em 23 de Dezembro de 1947 o primeiro transistor foi colocado em efetivo funcionamento, sendo hoje considerado como a pedra fundamental de todas as tecnologias atuais. Com o desenvolvimento do transistor foi possível substituir de uma maneira eficiente os dispositivos eletromecânicos e as válvulas eletrônicas, até então empregadas na fabricação de equipamentos. Isto foi viável graças aos avanços proporcionados pela física moderna, em particular pela formulação da mecânica quântica e o posterior desenvolvimento da chamada física do estado sólido, que possibilitou a compreensão dos processos envolvidos no transporte de cargas elétricas (elétrons e lacunas) em materiais semicondutores.

Albert EinsteinEm 14 de março de 2009, comemorou-se os 130 anos do nascimento do renomado físico Albert Einstein. Sendo o primeiro filho de Hermann Einstein e Pauline Koch, Albert Einstein nasceu as 11:30 de uma sexta feira, 14 de março de 1879, em Ulm, Alemanha, cidade esta que curiosamente possui em seu brasão o lema “Ulmenses sunt mathematici”, ou seja, Ulmenses são matemáticos. Seu lento desenvolvimento em articular a linguagem, que na infância lhe rendera alguns rótulos depreciativos, combinava-se de forma insólita com sua rebeldia descarada contra toda e qualquer autoridade, chegando a ser expulso da classe durante o período escolar. Apesar disso, ao longo da escola primaria em Munique, Einstein era um aluno que se destacava intelectualmente.